Como a micromobilidade impacta o mercado imobiliário

Além de patinetes e bikes, painel da Convenção Secovi fala sobre os promissores carros voadores

 

O fenômeno dos deslocamentos com patinetes e bikes tem tomado as ruas de São Paulo. De acordo com a Grow – empresa resultante da fusão entre a Yellow e a Grin –, entre as pessoas que usam a bicicleta como meio de transporte, 47% a utilizam para ir ou voltar do trabalho. Já a maioria dos usuários de patinete (40%) usam o meio como meio de recreação entre segunda e sexta-feira.

Nos fins de semana, a recreação passa a ser o principal motivo para o uso tanto das bikes (55%) como dos patinetes (79%).

Em outra esfera, a EmbraerX, divisão de negócios disruptivos da Embraer, promete viagens com carros voadores – inclusive com projeto específico para uma grande empresa de aplicativos de viagens. A ideia é que esse veículo fuja dos grandes congestionamentos das cidades, sobrevoando as ruas transportando passageiros.

Tanto a dinâmica das bikes e dos patinetes (conhecidas como micromobilidade) como a dos promissores carros voadores exercem impacto no mercado imobiliário.

Para falar sobre isso, a Convenção Secovi traz Paula Azevedo Macedo, head da EmbraerX; e Danilo Mansano, diretor de Operação da Grow, em painel sobre o tema. As inscrições podem ser feitas pelo site do evento – www.convencaosecovi.com.br – ou pelo telefone (11) 5591-1306.

Patrocínio: Atlas Schindler, Grupo Souza Lima, OLX e Abrainc na cota Diamante; Intelbras e Comgás na cota Ouro; Mega Sistemas, Regus e Porto Seguro na cota Prata.

Confira os melhores momentos da Convenção Secovi 2018.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Secovi-SP

Dólar sobe na contramão externa após novo atraso na reforma da Previdência

O dólar opera em alta no mercado doméstico em meio ao novo atraso na tramitação da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara. No exterior, a moeda americana recua frente divisas emergentes ligadas a commodities em meio à divulgação da terceira e última estimativa do PIB dos Estados Unidos no primeiro semestre e antes do encontro entre os presidentes dos Estados Unidos e da China em reunião almoço neste sábado no G-20 em Osaka, no Japão. O evento começa nesta Sexta-feira (28) e termina no sábado, dia 29.

Mais cedo, o RTI voltou a destacar que o balanço de riscos da instituição possui fatores de risco “em ambas as direções” – ou seja, a de baixa e a de alta da inflação. Ao mesmo tempo, o BC pontuou que o risco “preponderante” neste momento é aquele ligado ao andamento das reformas no Congresso. O BC também pontuou que “uma eventual frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária”.

O Banco Central também reafirmou que os próximos passos da política monetária “continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”.

No caso da Previdência, não houve acordo nesta quarta entre os líderes sobre a inclusão de Estados e municípios no parecer do relator. Por isso, os integrantes da comissão e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda negociam a possibilidade de se convocar uma nova sessão para que o relatório seja lido mais tarde, ainda hoje.Dessa forma, o texto só deverá ser votado na próxima semana na comissão.

Nos mercados internacionais, nesta manhã, o dólar está fraco e as bolsas europeias e os índices futuros dos mercados acionários de Nova York deram uma piorada, reagindo a relatos de que o presidente da China, Xi Jinping, pretende apresentar ao presidente dos EUA, Donald Trump, uma série de condições para a resolução da atual disputa comercial, gerando dúvidas de que os líderes dos dois países conseguirão de fato retomar as negociações comerciais em encontro que terão sábado no Japão.

Segundo fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires, Pequim quer que os EUA removam as tarifas impostas a produtos chineses e reduzam a exigência de compras de produtos americanos.

Às 9h33, o dólar à vista subia 0,32%, a R$ 3,8593, enquanto o dólar futuro para julho, mais negociado até hoje, avançava 0,43%, a R$ 3,8590.

Fonte: istoedinheiro.com.br

Top Imobiliário 2019: números mostram crescimento do mercado

Na velocidade de 110 imóveis por dia, com alta participação dos econômicos e uma oferta crescente de alto padrão

Uma em cada três unidades residenciais lançadas no Brasil inteiro está em construção na cidade de São Paulo, o maior mercado imobiliário do País. Em 2018, ano base da premiação do 26º Top Imobiliário, os lançamentos somaram 32,8 mil apartamentos na capital paulista para um total de 98,6 mil espalhados pelo território nacional, com base nos dados do Sindicato da Habitação (Secovi).

Ocorreu um “boom” no quarto trimestre, que concentrou a maioria (56%) dos lançamentos de novos prédios em São Paulo. Para o presidente do Secovi, Basílio Jafet, o mercado imobiliário saiu fortalecido de 2018 para se consolidar neste ano. Os números, segundo ele, são indicativos da trajetória de retomada.

Considerando-se o ano passado inteiro, os imóveis de alto padrão chamaram a atenção. Apartamentos com valor superior a R$ 1,5 milhão registraram o maior crescimento porcentual, com 2.134 unidades lançadas – número 142% superior às 882 unidades de 2017. Nesta faixa de preços houve a maior variação nas vendas, com 1.626 unidades comercializadas em 2018, alta de 123% sobre os 729 apartamentos do ano anterior.

Divulgada neste mês, a última pesquisa do Secovi aponta o total de 39,6 mil imóveis novos lançados em 12 meses (de maio de 2018 a abril deste ano), o que dá a média de 3,3 mil unidades/mês. “Olhando só os números, vemos claramente uma tendência de crescimento”, afirma o diretor da Embraesp, Reinaldo Fincatti. Parceira do Estadão no prêmio Top Imobiliário, a Embraesp identifica os maiores operadores do mercado em três categorias: Incorporadoras, Vendedoras e Construtoras.

“A outra face da moeda são a persistência do desemprego, contínua perda de renda das famílias e o adiamento das decisões de investimento”, diz Rodrigo Luna, diretor da Plano&Plano, a líder no ranking das incorporadoras nesta edição do Top Imobiliário. Para ele, a retomada do setor depende da melhoria na economia.

Fonte: terra.com.br

Construtoras tentam atrair compradores com apartamentos ‘customizáveis’

Moradores podem remanejar a divisão de cômodos, transformar ambientes, deixar a sala mais estendida, aumentar ou reduzir o número de dormitórios.

Comprar um apartamento não é motivo mais de padronização. Para se adaptar cada vez mais ao perfil e estilo de vida dos moradores, as plantas flexíveis têm se tornado um fator atrativo na hora de fechar negócio.

Nos últimos anos, o mercado imobiliário precisou se adequar à essa nova demanda.  Para atender esse novo perfil de consumidor, construtoras optam por oferecer vários tipos de plantas para dar maior liberdade, as paredes podem ser remanejadas, as alterações podem ser feitas sem causar nenhum problema na estrutura do prédio.

A própria construtora já oferece as opções de plantas e entrega para o
cliente sem custo adicional. Em um mesmo prédio, esse modelo de construção permite que o cliente personalize o seu apartamento para que se torne um lar com o seu perfil.

Segundo o gerente comercial de uma construtora em Bauru, Felipe Lopez, eles têm cinco empreendimentos com opções de plantas flexíveis. “Atualmente, temos cinco empreendimentos com esse tipo de perfil, oferecemos até 80 opções de plantas. Hoje quanto mais opções de
planta, mais fácil de vender um imóvel”, explica.

O sucesso desse tipo de nicho adotado pelas construtoras se confirmam em
números. O gerente comercial disse que eles levam vantagens em relação ao
imóvel padrão.

“Os imóveis com opções de plantas flexíveis, antes da entrega dos
apartamentos, já temos no mínimo 85% dos apartamentos vendidos. Quanto maior a flexibilidade de planta, mas fácil de vender”, comemora.

Com as plantas, os moradores podem remanejar a divisão de cômodos,
transformar ambientes, deixar a sala mais estendida, aumentar ou reduzir o
número de dormitórios. A construtora possui cinco imóveis disponíveis nesse
perfil, os apartamentos são vendidos a partir de R$ 241 mil.

Ter um espaço exclusivo

Ter cômodos reversíveis significa que poderá ter um espaço mais exclusivo, que atenda às necessidades do estilo de vida do morador.

Múltiplas possibilidades

É possível deixar o quarto maior, transformar uma sala em espaço gourmet,
deixar a sala dois ambientes. O morador determina quais espaços terão dentro do apartamento, remodelando a disposição e o número de cômodos do espaço interno.

Valorização do imóvel

Se a intenção é buscar um imóvel para investimento, a planta flexível é uma
das melhores opções. Pois é um dos tipos de imóveis que mais tem se valorizado no mercado imobiliário.

Fonte: g1.globo.com

Abrainc promove Fórum Internacional de Liderança e Inovação em São Paulo

FILI 2040 apresentará iniciativas mundiais sobre como viabilizar o negócio da cadeia da incorporação imobiliária embasado pela sustentabilidade

A ABRAINC (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) realiza, no dia 25 de junho, o primeiro Fórum Internacional de Liderança e Inovação – FILI 2040. A proposta do evento é trazer experiências concretas de iniciativas presentes mundialmente sobre como viabilizar o negócio da cadeia da incorporação imobiliária no contexto de liderança, gestão e inovação, sempre com os preceitos de sustentabilidade.

“A indústria da incorporação está mudando, embora não seja rápida devido a sua complexidade. Tecnologias como Big Data, Inteligência Artificial, Smart Mobility, Blockchain, Realidade Aumentada e Virtual, ChatbotsPear-to-peer e novas formas de conectar as pessoas já estão presentes no setor, e terão um enorme impacto no futuro do mercado imobiliário. Além disso, inovações sociais (trabalho mais inteligentes, gestão dinâmica e organização flexível), mentalidade e cultura serão grandes desafios para as organizações”, afirma Luiz França, presidente da ABRAINC.

No evento, a ABRAINC irá lançar e debater uma pesquisa inédita sobre ‘Tendência do consumidor imobiliário em 2040’, realizada em parceria com a Deloitte.

Palestras

O FILI 2040 abordará pontos essenciais para a inovação e tecnologia na área da incorporação imobiliária. Temas como a importância na formação de recursos humanos qualificados, apoio às empresas na inserção da inovação e ajuda para a regulação por meio de arranjos jurídicos – institucionais adequados, aprimorar o marco legal à inovação, com ajustes que tornem mais efetivos os regimes de incentivos existentes –, serão debatidos no Fórum. Além disso, a necessidade da criação de programas setoriais de inovação efetivos, que definam metas e objetivos pactuados entre o governo e o setor privado será discutida.

O programa do Fórum reunirá conceituados palestrantes do setor, além da realização de sessões interativas, com a participação de empresas como MRV, Deloitte, Tegra, Cyrella, OLX, entre outras. Além da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, e os sindicatos do setor, SindusCon-SP e SECOVI-SP.

Serviço:

Data: 25/06, terça-feira

Horário: das 08h às 18h30

Local: Centro de Convenções Grand Mercure | Rua das Olmpíadas, 205 – Vila Olímpia (SP)

Inscrições: Pelo site https://www.eventbrite.com.br/e/fili-2040-forum-internacional-de-lideranca-e-inovacao-tickets-60129407677#tickets

Sobre a ABRAINC

A ABRAINC (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) foi fundada em 2013 com o objetivo de levar mais eficiência à gestão, qualidade e aprimorar o processo da incorporação imobiliária. Atualmente, a entidade possui 36 incorporadoras associadas, com grande relevância na economia do Brasil e atuação ativa na associação. Seu objetivo é representar essas empresas, fortalecendo o setor e contribuindo para o desenvolvimento sustentável do País e de suas cidades. A ABRAINC atua em defesa da responsabilidade socioambiental, da ética, da integridade e das conformidades técnica, fiscal e urbanística.

Fonte: abrainc.org.br

Vendas de imóveis novos em SP crescem pelo 4º mês seguido, aponta Secovi-SP

As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo em abril registraram alta de 41%, na comparação com abril do ano passado, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (10) pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). Trata-se da 4ª alta mensal seguida nesta base de comparação.

Foram comercializadas em abril 2.541 unidades residenciais, segundo o Secovi-SP. O número, entretanto, foi menor que o registrado em março (2.987).

No acumulado de 12 meses, foram vendidas 31.700 unidades, o que corresponde a uma alta de 16% em relação aos 12 meses anteriores, quando as vendas totalizaram 27.319 unidades.

Já os lançamentos, de acordo com dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), totalizaram 3.136 unidades residenciais, volume 50,7% superior ao mês de março (2.081 unidades) e 161,1% acima do apurado em abril de 2018 (1.201 unidades).

Em 12 meses, os lançamentos somaram 39.641 unidades, alta de 25,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Segundo o levantamento, o destaque de abril foi mais uma vez os imóveis de 2 dormitórios, que lideraram em quase todos os indicadores, registrando maior volume de vendas (1.602 unidades), lançamentos (1.866 unidades), e imóveis ofertados (13.048 unidades).

“Desde fevereiro, a Pesquisa do Mercado Imobiliário vem apresentando números de vendas e lançamentos superiores aos registrados no ano passado, quando comparados os dados mensais. Tal comportamento demonstra que, apesar das dificuldades da economia, os negócios imobiliários continuam sendo realizados”, avaliou o Secovi-SP.

Fonte: ibrafi.org.br

Registros de imóveis crescem 11,3% no 1º trimestre

Os negócios imobiliários na cidade de São Paulo continuam recuperando fôlego e cresceram 11,3% no primeiro trimestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram registradas 24.957 ações de compra e venda no primeiro trimestre de 2019. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 15% ante os 12 meses imediatamente anteriores. Paralelamente, também está caindo a inadimplência, refletida no número de imóveis retomados por falta de pagamento.

Segundo dados da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo (Arisp), com base nos registros feitos em todos os cartórios de imóveis da capital paulista, apontam que a recuperação teve início em 2017, depois de quatro anos de queda no período da crise.

Em 2012, ano em que o levantamento começou a ser feito, 146.779 imóveis foram comprados ou vendidos. Os números foram caindo até atingir 89.650 unidades em 2016. Nos últimos 12 meses encerrados em março, a soma é de 112.956 unidades.

“O mercado, de fato, está reagindo, talvez não no ritmo que o País precisa, mas o fato é que estamos em uma situação melhor do que a dos últimos anos”, afirma o economista Eduardo Zylberstajn, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), entidade parceira da Arisp no estudo.

De acordo com ele, ainda é difícil fazer uma projeção do mercado para o ano todo, em razão das incertezas econômicas e políticas que ainda perduram. Zylberstajn acredita, no entanto, que a previsão de crescimento da economia de 1% (ou abaixo disso) este ano não vai interromper a reação do mercado imobiliário.

“O importante é que o PIB (Produto Interno Bruto) parou de cair. Está fraco, mas está reagindo e, como o mercado imobiliário é cíclico, os indicadores mostram que agora estamos passando por uma recuperação”, diz.

Zylberstajn afirma que, mesmo durante o período mais forte da crise, os preços dos imóveis caíram pouco e esse também foi um dos motivos da redução dos negócios. Com a recuperação se mantendo, é possível que ocorra aumento de preço, mas isso não deve acontecer no curto prazo.

Ranking global imobiliário – Por enquanto, o relatório Indicadores do Registro Imobiliário coleta todos os meses dados das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, mas, ao longo do ano, também serão divulgados números de outras cidades, assim como do Estado de São Paulo e de outros Estados.

Segundo Flaviano Galhardo, presidente da Arisp, “com esses dados queremos contribuir para a melhoria do mercado”. Há outros indicadores do setor, mas a maioria deles é parcial por divulgar, por exemplo, apenas resultados de vendas de imóveis novos ou volume de investimentos feitos.

“Informações concretas de compra e venda são fundamentais para o fomento de negócios no País”, afirma Patrícia Ferraz, coordenadora do Departamento de Estatísticas da Arisp. “Investidores estrangeiros e nacionais, quando cogitam entrar no mercado imobiliário brasileiro, olham a economia do País; portanto, quanto mais informações tiverem, mais chances de receber recursos.”

Ela também ressalta a importância de dados efetivos para o cidadão comum que quer comprar ou vender um imóvel e para os governos desenvolverem políticas públicas.

Outra meta da entidade é ajudar o País a melhorar sua posição no relatório do Banco Mundial chamado de Doing Business, que avalia regulamentos para fazer negócios e sua implementação em 190 países. O Brasil está na 175.ª posição do ranking. “O País perdeu pontos porque não tinha esses índices que são solicitados no relatório”, afirma Galhardo.

Fonte: ibrafi.org.br

Mercado imobiliário deve crescer de 10% a 15% em 2019

Para Câmara Brasileira da Indústria da Construção, crescimento depende das reformas econômicas

São Paulo — As vendas e os lançamentos de imóveis residenciais no país devem crescer em torno de 10% a 15% em 2019, de acordo com estimativa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). A perspectiva é que o crescimento seja puxado pelo segmento de imóveis de médio e alto padrão, em que as moradias são financiadas por linhas bancárias que utilizam recursos da poupança.

Já os negócios envolvendo as unidades dentro do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), que contam com financiamento por meio de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), devem permanecer estáveis, considerando que o orçamento do fundo ficou estagnado do ano passado para cá.

“Quem vai puxar o crescimento é a habitação de mercado (médio e alto padrão)”, projetou o presidente da Comissão Imobiliária da CBIC, Celso Petrucci, citando as limitações de recursos do FGTS.

Petrucci disse que os lançamentos e as vendas continuam saudáveis no segundo trimestre, a despeito do ritmo mais lento de recuperação da economia brasileira. Ele citou como exemplo que os lançamentos na cidade de São Paulo no mês de abril foram o dobro do registrado no mesmo mês do ano anterior. “É uma reação que, guardadas as proporções de cada mercado, acreditamos que também vem acontecendo em outros Estados”, observou.

Ele ponderou, entretanto, que a perspectiva de crescimento do mercado imobiliário leva em consideração a necessidade de encaminhamento das reformas estruturais do País, sendo a mais importante delas a reforma da Previdência. Caso haja deterioração da economia nacional e um noticiário negativo sobre a concretização da reforma, muitas pessoas podem adiar a decisão de compra de um imóvel, avaliou.

Guedes e Maia
O presidente da CBIC, José Carlos Martins, disse não ver distanciamento entre Executivo e Congresso nas discussões em torno da reforma da Previdência, e destacou, nominalmente, a dedicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para o encaminhamento do tema. “Se a reforma da Previdência acontecer, é porque houve dedicação de Guedes e Maia”, afirmou em coletiva de imprensa.

Martins também ressaltou que a aprovação da reforma é essencial para garantir maior confiança de agentes econômicos, retomada dos investimentos e um crescimento mais robusto da economia brasileira. “A reforma da Previdência é tão necessária que acreditamos que não há como não acontecer. O seu tamanho e o jeito é que ainda serão decididos”, afirmou, acrescentando que vê o Congresso “bastante motivado” para dar andamento às discussões.

Futuro do Minha Casa Minha Vida

Embora o governo federal tenha começado discussões sobre mudanças no Minha Casa Minha Vida sem a participação de empresários do setor, nada será feito de forma precipitada, garantiu o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, de acordo com informação compartilhada pelo presidente da CBIC.

Em entrevista à imprensa, Martins disse que cobrou Canuto sobre declarações públicas de membros do governo a respeito de alterações no programa habitacional sem que as associações do setor de construção tivessem sido consultadas anteriormente, o que pegou empresários e investidores de surpresa. “O ministro pediu para que não tirássemos conclusões precipitadas. Um programa de mais de 10 anos não se muda de forma açodada, e sem a participação do setor”, afirmou, repetindo mensagem que enviada por Canuto a ele via Whatsapp.

Conforme já informado pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), entre os itens em discussão no governo, está a ideia de doar terrenos públicos nas regiões metropolitanas para as construtoras e financiar as obras por meio de recursos do FGTS. A construtora ainda ficaria responsável por administrar o condomínio, depois de pronto, durante um período em torno de 20 a 30 anos. Por sua vez, o beneficiário pagaria um aluguel pelo uso da moradia, podendo converter os valores na propriedade do imóvel no fim desse período caso se mantenha adimplente.

Martins disse que as propostas devem ser complementares às faixas existentes, e não substitutivas. “As faixas 1,5, 2 e 3 estão consolidadas”, afirmou. Já a faixa 1 está travada devido à carência de recursos públicos para subsidiar os imóveis.

O presidente da CBIC ainda acrescentou que concorda que o programa busque soluções complementares para a moradia, além da aquisição de imóveis. Um exemplo seria a locação.”Temos que ir efetivamente para aquilo que era a forma original do MCMV, a moradia. Há várias formas para isso. Precisamos agregar uma série de outros produtos para que seja um programa social de moradia”, defendeu.

No dia 4 de junho, uma comissão da CBIC vai se reunir com membros do Ministério do Desenvolvimento Regional para discutir potenciais mudanças no MCMV.

Fonte: exame.abril.com.br

Venda de imóveis crescem quase 10% no país no primeiro trimestre do ano

O mercado imobiliário está crescendo neste ano, segundo dados da pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) com 23 capitais e regiões metropolitanas de todo o país. No primeiro trimestre deste ano, houve um aumento de 9,7% na venda de imóveis e de 4,2% no número de lançamentos no Brasil.

Já a oferta final, ou do estoque de imóveis novos, teve queda de 8,6% no período. O que mostra que apesar do aumento no número de lançamentos, não é maior que o número de vendas.

O Rio de Janeiro também acompanhou o crescimento no país.  Foram lançadas 2090 unidades no primeiro trimestre de 2019, contra 1480 no mesmo período de 2018 — um crescimento de 41%. O número de unidades vendidas aumentou ainda mais, crescendo 48% no período, totalizando 4070 unidades vendidas no primeiros trimestre de 2019.

— Estamos vendo a retomada acontecendo, mesmo que aos poucos.
A região Sudeste puxou o crescimento do país e teve um crescimento expressivo em relação ao ano passado. O Rio de Janeiro parece ter atingindo o seu pior momento em 2017, pois tem melhorado aos poucos desde então — afirmou José Carlos Martins, presidente da CBIC. Outros dados também apontam o crescimento do setor na região.

Segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), houve um crescimento de 36,4% de unidades financiadas neste primeiro trimestre no Rio de Janeiro em relação ao mesmo período do ano anterior. E segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados
(CAGED), houve uma contração líquida de 2904 empregos na construção civil no Rio de Janeiro de janeiro a abril deste ano, enquanto no mesmo período do ano anterior houve saldo negativo de 3775.

No entanto, o crescimento, por enquanto, tem se concentrado no setor de baixa renda, com imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida.

— O setor como um todo não está bem no Rio de Janeiro, está estagnado. Mas o setor de baixa renda tem crescido e estão previstos lançamentos na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro e em São Gonçalo — afirmou Roberto Lira, Consultor Técnico da Sinduscon-Rio., sindicato da indústria da construção civil do Rio de Janeiro.

Fonte: ibrafi.org.br

 

Dólar muda de rumo e passa a cair nesta quinta-feira

No pregão anterior, moeda dos EUA caiu 0,18% e fechou a R$ 4,0404.

O dólar mudou de rumo e passou a cair nesta quinta-feira (23), de olho no exterior, onde há cautela por preocupações renovadas quanto à disputa comercial entre Estados Unidos e China, e tendo o cenário doméstico e a pauta de votações no Congresso como pano de fundo.

Às 12h46, a moeda norte-americana recuava 0,10%, negociado a R$ 4,0364.

No pregão anterior, o dólar caiu 0,18%, vendido a R$ 4,0404, acumulando queda de 1,43% na parcial da semana. No mês, ainda tem alta de 3,04%.

O BC realiza neste pregão leilão de até 5,05 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de julho, no total de US$ 10,089 bilhões.

Cenário local e externo

Na quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou o texto principal da Medida Provisória 870, que modifica a estrutura do governo federal e reduz o número de ministérios, mas o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou a sessão sem concluir a votação após um acirramento das tensões. A expectativa de Maia é de que a votação seja concluída nesta quinta-feira, com a análise dos destaques.

Enquanto a votação de importantes matérias econômicas por parlamentares reforça a leitura de agentes financeiros de que o Congresso está comprometido em avançar a agenda econômica, tal movimento já vinha sendo precificado, destaca a Reuters.

“Mercado já precificou antecipadamente esse empenho do governo em destravar as pautas das MPs para conseguir votar a 870, então hoje estamos acompanhando bem o externo e o movimento das emergentes”, explicou Camila Abdelmalack, economista da CM Capital Markets.

Com isso, o real passa a olhar mais para o exterior, operando em linha com outras moedas emergentes, que são pressionadas por temores renovados quanto à disputa entre Estados Unidos e China. O Ministério do Comércio chinês disse que, se os EUA quiserem continuar com as negociações, precisam “corrigir suas ações erradas”.

Fonte: g1.globo.com